Dance...

"Vc estudou técnicas somáticas para melhor controlar seu corpo?" - Já ouvi algumas vezes frases desse tipo.

Não. Porque o corpo não é um animal q precisa ser controlado. Aliás, nem os animais precisam de controle. Corpo é forma movente de expressão de si e qualquer ideia de controle está vinculada, conforme já demonstrou Foucault, a velho discurso autoritário que nos oferece todo um menu de dispositivos de poder sobre os corpos. Você 'leva seu corpo' à academia, ao parque, ao cinema, ao restaurante... Você leva seu corpo como se fosse um carro, um envelope que te contém. E aí reside toda a confusão e a necessidade de conhecer esta máquina para melhor 'controla-la'. Você se encaixota e se fragmenta para adquirir domínios, mas as coisas seguem não funcionando bem.

Pas que le corp c'est moi. Eu-perna, eu-braço, eu-cabelos, eu-pâncreas... Tudo é o shape dinâmico e instável dessa subjetividade em processo, dessa expressão sempre inacabada de mim mesmo, daquilo em mim que se esforça por continuar, para seguir vivendo. Propriciocepção, algumas forças, alguma vulnerabilidade, capacidade crítica e competências de auto-manejo para produzir diferença e singularidade... é disso que precisamos. Nada a ver com 'controle'. Nada de controle...

But pure dance.

 Tanztheater Wuppertal - Pina Bausch